FAÇANHAS MOTOCICLÍSTICAS E SUAS CERTIFICAÇÕES: OS FAZEDORES DE CHUVA

FAZEDORES DE CHUVA

Ser um Fazedor de Chuva é fácil! Basta ter um espírito aventureiro, amar a vida e ser desprendido. Se você tem estas características, seja então, muito bem vindo, cadastre-se no site dos fazedores de chuva e participe de nossas aventuras.

Não somos apressados, portanto, você pode levar o tempo que precisar, para concluir nossos desafios, afinal para nós o que interessa é o prazer de se estar na estrada, dentro das nossas limitações, seja de tempo, financeira ou ainda familiares. Você poderá fazer em partes, durante toda a sua vida, sozinho, acompanhado da esposa, amigos ou com outros membros da família. Serão momentos únicos, especiais.

Almas inquietas, Eternos viajantes e sempre de passagem, assim nos definimos. Almas inquietas que buscam apenas vencer os próprios desafios sem travar uma luta contra os desafios alheios. Afinal, porque a competição se há espaço para todos nas estradas desta vida?

Sigamos lado a lado, pois ao final a luta é sempre com a gente mesmo, com os nossos anseios, com as nossas expectativas, com os nossos medos, com o nosso vigor. Aos amantes do mundo, da cultura, das gentes, do sublime, do absurdamente belo, dos adjetivos e dos nomes, da fantasia e do realismo, eis um espaço raro de se sentir em casa. Almas inquietas, aprocheguem-se para uma boa prosa em volta de nossa fogueira. Há taças de bom vinho para todos e sorrisos sinceros!

GRANDE CACIQUE FAZEDOR DE CHUVA.

PERCORRA de PRUDHOE BAY, cidade norte-americana que fica no Alasca, em um ponto bastante ao norte, a USHUAIA, cidade argentina que fica na Patagônia, um ponto bastante ao sul. Todo o percurso deve ser feito com uma moto e por via terrestre, salvo exceções, como uso de balsas para deslocamentos próximos ou essenciais.

PERCORRA os três continentes, sendo ao menos cinco países na América do Sul, incluindo Colômbia, que faz a passagem para a América Central.

Não há tempo mínimo ou máximo para execução do percurso.

Você precisa postar regularmente no Fórum, pelo menos uma vez por semana, indicando localização. Isso porque acreditamos no poder agregador e instigador desta ferramenta, essencial à comunicação entre os Caciques. Há muitos que estão na estrada, há muitos pelo caminho que podem ajudar, há muitas descobertas que podem ser feitas de maneira conjunta. Ademais, instigar outros sonhadores é um de nossos objetivos maiores, formando, assim, uma grande rede mundial de amigos aventureiros, com ideais comuns.

 

GRANDE CACIQUE FAZEDOR DE NEVE.

Para aqueles que fizerem os extremos da terra, aqui pelo nosso lado americano, cruzando toda a Terra do Fogo até Ushuaia, e todo o Alasca, desde a fronteira com o Canadá, até Prudhoe Bay, durante o inverno, sobre duas ou três rodas, seja com um triciclo, moto trike ou com sidecar, serão certificados como Grandes Caciques Fazedores de Neve.

Que tal experimentar temperaturas de mais de 50º negativas em cima de duas ou três rodas?

É permitido ao insano Fazedor de Chuva que utilize os últimos trinta dias do outono e/ou os primeiros trinta dias da primavera, não havendo um limite de tempo para a realização dessa loucura, ou seja, poderá ser feito dentro do seu período de conveniência ou conforto.

 

BANDEIRANTE.

Inicialmente vale dar o crédito deste batismo de Bandeirante, ao motociclista que fizer todas as capitais dos estados, mais o Distrito Federal, ao Milton Omena, que num rasgo de grande sensibilidade sugeriu que denominássemos como Bandeirante Fazedor de Chuva, quem tivesse o bom desatino de se embrenhar numa tarefa desta envergadura, num país de dimensões continentais, como é o nosso caso.

Nada mais justo do que esta denominação, independentemente das paixões históricas, aos novos desbravadores deste século XXI, que se embrenharem território adentro, em cima de duas rodas, em busca, agora mais do que de riquezas materiais, de riquezas interiores, que formam em síntese a base da filosofia dos Fazedores de Chuva.

 

CARDEAL.

Será reconhecido como um Cardeal Fazedor de Chuva, o inconsequente que fizer a cruz do Brasil, indo do Pai, representado por Chuí, Rio Grande do Sul, preferencialmente do seu Arroio, até o Filho, em Uiramutã, opcionalmente até o Monte Caburaí, finalizando estes super extremos por via fluvial ou por caminhada,  e fechando o Espírito, que está localizado na Ponta do Seixas, na Paraíba, até o Santo, que fecha a cruz onde o sol se põe, em Mancio Lima, Acre, e claro, a partir daí, de novo de barco, deixando a moto descansando na cidade, até a Nascente do Rio Moa, na Serra do Divisor.

Resumindo, o pirado precisa ir do Chuí, RS, até Uiramutã, Roraima, na cruzada sul para o norte; enquanto a outra pernada diz que do leste, da Ponta do Seixas, na Paraíba, ele precisa encontrar o seu final, no oeste, em Mancio Lima, no Acre.

 

VALENTE.

Você pode escolher entre o seu estado natal, aquele onde está vivendo ou ainda, à sua vontade, um estado dentro da Federação e percorrer todos os municípios que o compõe, segundo informações oficiais do IBGE ou do serviço de informação estadual, que será confirmado pela organização.

Não tem um período mínimo para ser concluída, até porque sabemos das dificuldades que serão encontradas para o cumprimento de um projeto com esta ambição, além daqueles pessoais, que nos aprisionam, as vezes, mais do que gostaríamos, mas que somos por força das circunstâncias obrigados a respeitar.

Uma vez que a moto esteja na estrada, na frente de cada Prefeitura Municipal, é preciso uma foto do motociclista, ou da moto, comprovando desta maneira a sua entrada dentro da cidade, cumprindo assim com a exigência estabelecida.

FONTE: www.fazedoresdechuva.com.br

CONTINUA: Fique atento as novas postagens, em breve traremos novidades sobre voltadas as façanhas motociclísticas…

3 comentários sobre “FAÇANHAS MOTOCICLÍSTICAS E SUAS CERTIFICAÇÕES: OS FAZEDORES DE CHUVA”

  1. Boa tarde,
    Ontem eu tive um encontro casual com um membro do “OS FAZEDORES DE CHUVA” no percurso do Guará para o Plano Piloto, um papo muito gostoso falando de viagens de moto, é claro né, não me lembro o seu nome, mas falou com grande entusiasmo do moto clube que fiquei muito interessado em conhecer, gostaria de preencher a ficha de inscrição, mas não a encontrei no site.

    Att.
    Sérgio.

  2. Olá bom dia meu nome é João Carlos Ribeiro,conhecido como Carlinhos,moro em Tangará da Serra MT,sou motociclista desde de 1986,já tive várias motos Atualmente estou com uma Triumph Tiger explorer 1200 e gosto de viajar de moto,não fiz muitas viagens longas mas pretendo viajar mais,as minhas duas viagens mais longe, foi até Cuzco Peru e Gramados RS,e agora pretendo fazer parte desse grupo fazedores de chuva,como falei moro no Mato Grosso e quero fazer todas as Cidades com fotos nas prefeiturase,nosso Estado tem 141 Cidades se Deus quiser vou fazer,comecei a minha jornada dia 13 de maio de 2017 já fiz 6 Cidades,o nosso Estado,as Cidades são longe uma da outra,mais quero concluir se Deus quiser.
    Também sou Presidente de um grupo de moto aqui na nossa Cidade,Estradeiros da Serra,precisando algum apoio estamos aqui,temos sede própria pra receber nossos irmãos das estradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *