Como funciona um moto clube?

Cena do seriado Sons of Anarchy
Cena do seriado Sons of Anarchy

 Tudo o que você sempre quis saber sobre motociclismo, mas não tinha a quem perguntar         

Roupas sujas, mulherada, brigas de rua. Esqueça todos os clichês que o cinema americano te ensinou sobre o motociclismo.

Moto clubes são associações de amigos apaixonados não só por passeios de moto, mas também pela vida. Os clubes são verdadeiras famílias, onde cada integrante tem o seu papel, suas obrigações e procura contribuir da melhor maneira possível para o bem estar de todos. O clima de companheirismo, amizade e respeito predomina e é comum que as esposas e filhos dos integrantes participem das atividades promovidas. Em geral, brigas, drogas e mau comportamento são extremamente mal vistos nesse meio.

O primeiro moto clube de que se tem notícia foi o Moto Club do Brasil, fundado em 1927, no Rio de Janeiro. A partir da década de 30, começaram a surdir diversos clubes pelo mundo, os quais se popularizaram com o cinema americano dos anos 60. No Brasil, essa popularização se deu principalmente na década de 90, com o maior acesso dos brasileiros às motocicletas importadas. Hoje, o maior moto clube do mundo é o Hells Angels MC (EUA) e o maior clube brasileiro é o Abutres MC, com mais de 10.000 integrantes.

route 66
A famosa Route 66, que atravessa 8 estados norte-americanos

 

On the road

                O principal objetivo de um moto clube é realizar viagens de moto para conhecer novos lugares, apreciar a paisagem e fazer amigos. Muitas vezes, o passeio em si é mais importante que o destino. Um grupo de motocicletas que está na estrada é chamado de “trem”, e os condutores devem obedecer a uma série de regras para garantir a segurança de todos. O “trem” comporta-se como se fosse um único veículo e é uma maneira extremamente segura de viajar.

Muitos moto clubes organizam encontros e confraternizações com o objetivo de reunir pessoas de todo o país interessadas em trocar experiências e fazer amizades, que costumam durar pelo resto da vida. São eventos muito agradáveis, animados, com boa música e excelentes oportunidades de conhecer pessoas incríveis com uma bagagem fantástica de experiências de vida.

Para manter o ambiente saudável, a tradição e os laços profundos de companheirismo, a única maneira de entrar em um moto clube é sendo apresentado por um integrante. O candidato (chamado de “prospecto” ou simplesmente PP) passa por um período de avaliação, devendo servir ao clube e respeitar sua hierarquia e suas regras, e apenas com a aprovação dos integrantes antigos é autorizado a usar o brasão do clube.

Além de identificar o motociclista trazendo nome, cidade, tipo sanguíneo e outras informações importantes, o colete com o brasão de um moto clube é usado como um distintivo de honra, que foi conquistado por mérito próprio e deve ser respeitado e honrado por quem o veste.

Muitos moto clubes promovem ações sociais em suas cidades, como campanhas de doação de alimentos, sangue, medicamentos, entre outras.

Domine o preconceito: conversar com um motociclista é uma experiência que vai transformar a sua vida!

Amizade entre irmãos de estrada é eterna!
Amizade entre irmãos de estrada é eterna!

Annual Trail of Tears Motorcycle Ride to travel through Madison County Saturday

Annual Trail of Tears Motorcycle Ride to travel through Madison County Saturday

Publisher: The Huntsville Times – al.com

Date Published: Thu, 18 Sep 2014 08:14:52 -0700

Description: HUNTSVILLE, Alabama– The 21st Annual Trail of Tears Commemorative Motorcycle Ride will make it's way through the Tennessee Vally on Sept. 20. The ride will come into Huntsville from Scottsboro on Highway 72 East. The route will continue west on …

Readmore: Annual Trail of Tears Motorcycle Ride to travel through Madison County Saturday

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte XI)

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte XI)

Depois de visitar a Ponte Vecchio, em Florença, aproveite por caminhar ao longo das
pitorescas ruas da cidade até chegar a uma das mais animadas praças da cidade: a
Piazza Della Repubblica, onde você pode encontrar uma grande variedade de cafés e

pastelarias.
Continuando por algumas outras ruas estreitas, você chegará à Piazza di San Giovanni,
uma praça muito mais requintada onde você poderá visitar e fotografar a notável catedral
da Arquidiocese de Florença, a Basílica di Santa Maria del Fiore.

Seguindo por outra rua estreita, você irá encontrar a Piazza della Signoria onde, entre
outros monumentos, você poderá observar o Palazzo Vecchio e réplicas de algumas das
estátuas mais famosas do mundo, entre as quais David, de Miguel Ângelo. É aí também
que se encontra a belíssima Fontana di Nettuno, onde você pode ver a representação do
rei do mar, rodeado de ninfas, e onde são comemoradas as vitórias navais toscanas.

E muitos mais haverá para ver, até que se comece a aproximar a hora do almoço (altura
em que você deve regressar ao outro lado do rio. De modo a conseguir poupar tempo,
talvez seja uma boa ideia almoçar num dos cafés que se encontram no pequeno largo,
junto ao qual você deixou a sua moto.
Pela frente, nessa tarde, você terá 148km até chegar a Ravenna onde poderá visitar as
suas belas praias e depois, mais 150 km até Venezza onde deverá dormir. Florença é tão
bela que você perderá a noção do tempo, de modo que é muito provável que você saia da
cidade já próximo das 15 a 16h.
No próximo post falaremos um pouco mais da viagem até Veneza.

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte VI)

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte VI)

Após uma cansativa viagem entre Barcelona e Saint-Tropez, apenas lhe apetecerá
descansar. Isso é excelente pois permitirá que se levante bem cedo no dia seguinte.

Nada melhor para começar o novo dia para você provar os verdadeiros croissants
franceses, bem cedo, junto à piscina. Esse é um pequeno-almoço que você não quererá
perder! Após isso, arrume novamente as suas malas para voltar à estrada e aproveite
para ir até à famosa marina de Saint-Tropez e para conhecer a vila.
Apesar de a origem da vila de Saint-Tropez ser a de uma pequena vila de pescadores, ao
longo dos anos, este foi-se tornando num dos destinos de verão preferidos das pessoas
de classes mais abastadas. Ganhou fama a tal ponto que, atualmente, é um dos locais
franceses que mais jovens milionários e estrelas de Hollywood procuram, principalmente
durante os meses quentes.

O expoente máximo da sua visita a Saint-Tropez é o seu pequeno porto completamente
cheio de iates e veleiros, em volta dos quais você poderá observar pequenos edifícios
charmosos e também cafés e esplanadas viradas para o porto.

No próximo post dar-lhe-emos a conhecer melhor esta maravilhosa vila.

Passeio pelos arredores de San Bernardino.

Hoje temos um passeio bem curto, (apenas 400 kilometros), feitos em apenas 11:30 horas, pelo deserto de Palm Springs e Montanhas de San Bernardino.

Saimos depois das 10 horas da manha, com destino a Palm Springs, mas como bom motociclistas que somos, fomos pelo caminho mais longo, passando por Oak Glen para um café da manha.

Almoco em Palm Springs e ai novamente, pelo caminho mais longo para Big Bear nas Montanhas de San Bernardino, passando pelas montanhas de Santa Rosa e Anza.

A chegada em San Bernardino foi bastante fria, com temperaturas na casa do 0C a 5C. Mas valeu a pena o roteiro. Boa companhia, boa comida e boas estradas.

Viagem a Carmel e Monterrei pela HighWay 1 na Califórnia

A viagem de hoje mostra uma rota incrível saindo de Los Angeles rumo ao norte, pela famosa Highway 1, a estrada que margeia o oceano Pacifico, na não menos famosa costa da California

Saimos em duas motos por volta da 1:00PM pela I-5, depois CA-126 rumo a Santa Paula, Ojai, Lake Casitas, Santa Barbara, São Luiz Obispo e dormir em entre San Simeon e Cambria.

Foram nessa primeira etapa foram 504 kilometros, feitos em cerca de 9 horas, a uma velocidade media de 88Km/h quando andando. (Da para ver que paramos bastante)

As estradas estavam boas e sem congestionamento, o que facilitou bastante. Passamos por alguns pontos famosos, tais como Ojai e Cambria, e o horário de chegada foi por volta das 9:20PM.

Nessa primeira noite ficamos em um hotel quase de frente para o mar.

Na manha seguinte voltamos a Cambria, para o café da manha e depois formos para o famoso Hearst Castle, que atualmente é propriedade do Estado da Califórnia, mas que quando pertencia ao milionário das comunicações, Mr. William Randolph Hearst. Construído entre 1919 e 1947, ao custo de milhões de dólares que posso te falar: valeram a pena. É uma obra lindíssima que contem materiais, estatuas, pórticos, etc, e vários lugares famosos da Europa.

Seguimos viagem parando para um almoço DM Sam Simeon, e para ver os Elefantes marinhos. Ai a Highway 1 mostra toda a beleza pela qual é famosa. A Cada curva uma imagem espetacular, que da vontade de tirar fotos e plublicar. As que aqui estão não fazem jus  a beleza dessa estrada.

Passamos por Big Sur e chegamos em Carmel. Reservamos um hotel e ai fomos visitar Monterrey. Uma janta gostasa em Carmel e vamos dormir.

Nesse segundo dia foram 200 kilometros, feitos em 10:30 horas (paramos mais ainda) mas valeu a pena.

No terceiro dia foi a volta. Decidimos voltar pelo mesmo caminho, para podermos fixar melhor as imagens maravilhosas da costa, e aproveitar que não havia transito, por ser meio de semana.

A volta toda foram 660 kilometros, feitos em 11 horas.

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte I)

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte I)

Para quem deseja viajar de moto pela Europa, vindo desde a América, Lisboa é a porta
de entrada mais utilizada. Depois há um mundo de belas cidades para descobrir. Uma
das cidades mais belas e românticas da Europa (quem sabe até, do mundo) é Veneza,
em Itália. Esse é um destino que pode parecer um sonho para muitos, mas fazer essa
viagem de moto é algo perfeitamente possível.

Continuar lendo Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte I)

FAÇANHAS MOTOCICLÍSTICAS E SUAS CERTIFICAÇÕES: IRON BUTT

IRON BUTT

Os mais de 53.000 membros da Iron Butt são dedicados às viagens motociclísticas de longa distância. Embora baseado nos Estados Unidos, temos milhares de membros entusiastas em todo o mundo! Um dos nossos slogans mais populares é, “The World Is Our Playground.”

O site do Iron Butt é lar de centenas de histórias excelentes sobre o motociclismo de longa distância. Também encontramos uma grande quantidade de informações técnicas sobre a arte e a ciência de enduro. O documento mais famoso, o IBA  “Archive of Wisdom”, contém a sabedoria coletiva e conhecimento de alguns dos mais experientes pilotos de enduro do mundo!

“Como posso me tornar um membro da Associação Iron Butt?” O Iron Butt Association não é o um “clube” típico. Mas sim um estado de espírito. Não possui dívidas mensais, ou boletim de notícias, ou até mesmo um cartão de sócio. Na verdade, a coisa mais próxima que temos de um cartão de membro é a nossa placa comemorativa ” World’s Toughest Riders”, “Pilotos mais resistentes do mundo”. Para se tornar um integrante do Iron Butt, você deve completar pelo menos um de nossos desafios.

De modo geral todo desafio necessita de documentação, entre ela cupons fiscais que indiquem o começo da viagem e outros a cada no máximo 600 km, determinando sua passagem, além disso são exigidos testemunhas do ponto de partida e chegada, fique atento pois se o destino possuir atalhos ou interseções, você deve ter uma forma de comprovar o roteiro principal. Entre os principais desafios do Iron Butt, destacam-se:

 

Bun Burner 2500k GOLD – 2.500 km em 24 horas;

Bun Burner 2500k – 2.500 km em 36 horas ;

SaddleSore 2000k – 2.000 km em 24 horas;

SaddleSore 1600k – 1.610 km em 24 horas;

 

Como podem perceber todos vinculados a distância e tempo, totalmente diferente dos desafios propostos pelos Fazedores de Chuva.

 

 

Então o que acha de realizar seus sonhos, unir seus amor e ainda ser certificado por isso, acesse o site destas associações veja qual destes desafios mais lhe satisfaz, então embarque nesta viagem, quem sabe no decorrer de alguns quilômetros ou em alguma cidade deste imenso Brasil podemos nos encontrar.

Não esqueça “A vida é curta, faça o que quiser”.

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte XI)

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte XI)

A cidade de Florença, o berço do Renascimento italiano, é considerada uma das mais
belas cidades do mundo. É aí que, sobre as calmas águas do Rio Arno, podemos
encontrar a Ponte Vecchio.

A Ponte Vecchio é uma ponte medieval em arco que alberga, ao longo do seu tabuleiro,
uma série de ourivesarias e joalharias. Esta ponte sempre albergou diversos mercadores
que exibiam as suas mercadorias em cima das suas bancas. No interior do tabuleiro, você
perderá a noção de que se encontra numa ponte, parecendo que está a passear sobre
uma rua normal.

Esse é um local que o deixará maravilhado, não só por ter a noção de que está num local
repleto de estórias perdidas no tempo, mas também pela quantidade de cheiros e sons
que lhe despertarão os sentidos.
Chegando à outra margem do rio, você encontrará uma cidade cheia de pormenores
interessantes. Você observará um movimento incomum de bicicletas e peões, muito
semelhante à hora de ponta nas ruas de qualquer cidade, mas sem carros.

Mas, Florença não é só a Ponte Vecchio… longe disso! Há muito mais para ver nesta bela
cidade, mas sobre isso falaremos no próximo post.

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte V)

Viajar de moto – de Lisboa a Veneza (Parte V)

De volta à estrada para uma nova etapa (Barcelona – Saint-Tropez), uma excelente
solução será partir de Barcelona seguindo caminho por estradas secundárias, no que se
tornará uma bela viagem de descoberta. Esta viagem por estradas secundárias deve ser
feita a ritmo de passeio para que você possa desfrutar da paisagem.

A partir de certa altura, você deixará de ter noção se ainda está em Espanha ou se já
está em França pois os nomes das vilas por onde se passa começam a ser uma mistura
de espanhol com francês. Ainda assim, não se engane! Você apenas estará em França
quando se deparar com a Fronteira Francesa, que fica incrustrada entre duas serras.

Após passar a fronteira, volte a tomar a estrada que vai dar à costa, de modo a fazer
novamente uma grande parte da viagem junto ao mar. A costa marítima francesa é
belíssima e o uso da máquina fotográfica é inevitável.

Seguindo o percurso sugerido, você deverá chegar ao hotel em Saint-Tropez por volta
das 21h, já cansado e sem forças para sair. Assim, se possível, aproveite para jantar
mesmo no hotel e depois ir descansar, de modo a poder levantar-se cedo no dia seguinte.