Motos total flex, qual combustível usar? Part II

As motos total flex estão se tornando cada vez mais populares e seus preços são significativamente mais altos que os modelos sem está tecnologia. Saiba avaliar se está opção é satisfatória e se realmente vale apenas utilizar dois constituíveis em um veiculo. Continuar lendo Motos total flex, qual combustível usar? Part II

Motos total flex, qual combustível usar?

Recentemente as montadoras estão investindo na produção das motos bicombustível, as chamadas total flex. No entanto como saber qual é o melhor combustivel a se utilizar? Continuar lendo Motos total flex, qual combustível usar?

RUELAS E INTERIORES: A aventura pode estar ao seu lado. Parte 1

A CIDADE

Cidade para nós é um símbolo de conforto, de segurança, viver em comunidade, perto de amigos, entes queridos, ou mesmo perto do conforto do trabalho, alguns com mais oportunidades outros com menos, mas de fato algo nos trás para as cidades, talvez a facilidade de ter o necessário, indispensável para uma boa vida perto de nós.

 

No Brasil há mais de 5.500 municípios e a cada ano surgem novos, provenientes do desmembramento de vilas e vilarejos que tomam dimensões geográficas e administrativas suficientes para se transformarem em cidades. Muitas delas após esta transformação acabam perdendo força e “minguam”, acabam ficando menor que a própria vila que as originou. Entre idas e vinda por este Brasil imenso vemos muito disso.

 

O nosso Brasil possui 8.502.728.269 km², este número relacionado com o de cidades comprova o quanto podem estar pulverizadas em nosso território, cada uma com sua particularidade, complementadas e abastecidas por várias vilas e, a vila por sua vez possui um costume ou particularidade que assim como a cidade, as difere de outras vilas. Como a maior parte dos transportes de objetos, bens e pessoas no Brasil são feitos via térrea, em especial rodoviária, obviamente cada uma dessas vilas possui estradas e se há estradas ou pelo menos uma trilha a seguir, este lugar torna-se em um potencial ponto turístico para um viajante.

 

ESTRADAS PRINCIPAIS

No Brasil segundo Ministério do Transporte, existe mais de 1.300.000 quilômetros de rodovias, onde pouco mais de 140.000 quilômetros estão pavimentados. Aqui falamos de rodovias principais, aquelas artérias que vemos nos mapas com marcações de várias cores, nem começamos a falar daquelas que não vemos, aquelas abertas pela administração publica ou particular. Como para nós o que vale não é o destino e sim o caminho e a companhia, podemos perceber que há alguns roteiros a serem montados no Brasil, ainda mais se sua opção não se limitar a estradas de asfalto liso.

 

ESTRADAS VICINAIS

O fluxo de abastecimento da cidade pode vir de outras estradas e não destas principais, as estradas vicinais que trazem à cidade o produtor rural ou o empresário do campo ou ainda que une as comunidade interioranas, com seus sotaques e costumes únicos.

Que tal se aventurarmos por elas?

Vamos tomar por exemplo a ligação entre duas cidades de Santa Catarina: o caminho de Santa Terezinha a Itaiópolis, são pouco mais de 65 quilômetros, destes 40 de cascalho, e em seguida um asfalto super liso até a BR 116, se não for por este caminho o piloto terá que rodar mais de 200 quilômetros para chegar na cidade de Itaiópolis por pleno acesso asfáltico.

 

Temos ainda o caminho que liga Rio do Campo, também em Santa Catarina a cidade de Ibirama, o caminho tradicional daria acesso a cidade via BR 470 na altura da cidade de Pouso Redondo, equivalendo a 130 quilômetros, porém pelo secundário a aventura é muito maior, onde a estrada alterna entre bom asfalto e cascalho, passando por cidadezinhas típicas da colonização europeia e ainda se o interesse for alongar o passeio, a cidade de Jose Boiteux, terra dos indígenas catarinenses, você ganha tudo isso e economiza 52 quilômetros.

 

Vamos sujar as botinas e pisar na areia, lama e cascalho…

Continua…

FAÇANHAS MOTOCICLÍSTICAS E SUAS CERTIFICAÇÕES: IRON BUTT

IRON BUTT

Os mais de 53.000 membros da Iron Butt são dedicados às viagens motociclísticas de longa distância. Embora baseado nos Estados Unidos, temos milhares de membros entusiastas em todo o mundo! Um dos nossos slogans mais populares é, “The World Is Our Playground.”

O site do Iron Butt é lar de centenas de histórias excelentes sobre o motociclismo de longa distância. Também encontramos uma grande quantidade de informações técnicas sobre a arte e a ciência de enduro. O documento mais famoso, o IBA  “Archive of Wisdom”, contém a sabedoria coletiva e conhecimento de alguns dos mais experientes pilotos de enduro do mundo!

“Como posso me tornar um membro da Associação Iron Butt?” O Iron Butt Association não é o um “clube” típico. Mas sim um estado de espírito. Não possui dívidas mensais, ou boletim de notícias, ou até mesmo um cartão de sócio. Na verdade, a coisa mais próxima que temos de um cartão de membro é a nossa placa comemorativa ” World’s Toughest Riders”, “Pilotos mais resistentes do mundo”. Para se tornar um integrante do Iron Butt, você deve completar pelo menos um de nossos desafios.

De modo geral todo desafio necessita de documentação, entre ela cupons fiscais que indiquem o começo da viagem e outros a cada no máximo 600 km, determinando sua passagem, além disso são exigidos testemunhas do ponto de partida e chegada, fique atento pois se o destino possuir atalhos ou interseções, você deve ter uma forma de comprovar o roteiro principal. Entre os principais desafios do Iron Butt, destacam-se:

 

Bun Burner 2500k GOLD – 2.500 km em 24 horas;

Bun Burner 2500k – 2.500 km em 36 horas ;

SaddleSore 2000k – 2.000 km em 24 horas;

SaddleSore 1600k – 1.610 km em 24 horas;

Como podem perceber todos vinculados a distância e tempo, totalmente diferente dos desafios propostos pelos Fazedores de Chuva.

Então o que acha de realizar seus sonhos, unir seus amores e ainda ser certificado por isso, acesse o site destas associações veja qual destes desafios mais lhe satisfaz, então embarque nesta viagem, quem sabe no decorrer de alguns quilômetros ou em alguma cidade deste imenso Brasil podemos nos encontrar.

Não esqueça “A vida é curta, faça o que quiser”.

Torne-se um bom viajante de moto – Parte III

Torne-se um bom viajante de moto – Parte III

Nos posts anteriores, falamos sobre algumas coisas que você precisa saber
para se tornar num bom viajante de moto. Mas, neste post iremos falar para
você sobre uma coisa fundamental: – Conhecer bem a sua moto

Faça todas as revisões à sua moto, sempre com bastante antecedência.
Algumas dessas devem ser feitas em determinados períodos, de modo que
você não deve deixar essas coisas para serem feitas no último minuto, nem
quererá deixar a sua moto chegar nos limites…

Faça um curso de manutenção em motos se você é inexperiente. Saber
apenas o básico pode salvar você de um monte de problemas e despesas.
Você não precisa saber tudo, apenas o suficiente para ter uma idéia de como
ir buscar as peças corretas e substituir essas peças em caso de quebra. Visite
o seu concessionário e convença-o a deixá-lo ver e falar com o mecânico,
enquanto ele repara a sua moto. Ofereça-se para pagar um pouco mais pelo
privilégio e dê uma boa gorjeta ao mecânico (afinal, você é uma dor de cabeça
para ele).

Faça também um curso de treinamento de piloto. Qualquer curso para pilotos
de moto pode ser muito útil. Nós recomendamos pelo menos um curso de
reciclagem, e se você não é um piloto muito experiente, recomendamos
fortemente um curso off-road. Um bom curso vai ajudá-lo a evitar erros
dolorosos. Em qualquer parte do mundo você pode encontrar bons cursos.

No próximo post, daremos para você as últimas dicas sobre o que você precisa
fazer para se tornar num bom viajante de moto.